Marca Instituto do Cabelo - Dr. Márico Crisótomo
Home
+ 55 85 3032.2020 • 0800.005.1020
Contato Avaliação On-line

Técnica Combinada (STRIP + FUE)

A Técnica pessoal desenvolvida pelo Dr. Márcio Crisóstomo o tornou um dos cirurgiões mais conhecidos do mundo no campo do Transplante Capilar e um dos Brasileiros mais requisitados para aulas em congressos internacionais. Também o tornou uma referência mundial para calvícies avançadas atraindo uma clientela de todos os Estados do Brasil e de vários países.

A barreira da naturalidade já está vencida há muitos anos pelo transplante capilar moderno. Portanto,
o que passa a diferenciar as melhores equipes é o número de fios obtidos em uma cirurgia.

Cirurgias de maior porte oferecem a possibilidade da cobertura de uma área maior, com mais densidade e melhores resultados.

Os fios podem ser retirados das regiões lateral e posterior da cabeça, chamada de área doadora, basicamente de duas maneiras:

Exemplo de técnica Clássica

Técnica Clássica

(também chamada de Strip ou FUT)

• O cirurgião retira uma faixa de couro cabeludo e as unidades foliculares são individualizadas uma a uma ao microscópio.

• Possibilidade de obter um maior número de fios por sessão, mas uma cicatriz linear permanece no local.

• É a técnica utilizada pela maioria dos cirurgiões de calvície no Brasil.

Exemplo de técnica FUE

Técnica FUE

Follicular Unit Extraction (FUE)

• As unidades são retiradas uma a uma pelo cirurgião.

• Como principal vantagem a ausência de cortes, ao invés temos várias cicatrizes puntiformes de difícil visualização, mesmo com o corte de cabelo muito curto, menos fios são obtidos por sessão.

• Realizado por poucos cirurgiões no Brasil, o FUE é a técnica que mais cresce no mundo, segundo os dados da ISHRS.

O Dr. Márcio Crisóstomo é uma referência internacional em FUE.

Dr. Marcio Crisóstomo - FUE Researcher

Foi fundador e é o único cirurgião brasileiro membro do FUE Research Committee (Comitê de pesquisas em FUE) da International Society of Hair Restoration Surgery, o mais importante grupo de desenvolvimento do FUE no mundo, que reúne experts em FUE de vários países para pesquisar, desenvolver e divulgar esta técnica.

Saiba mais sobre FUE

Consideramos que o ideal é que o especialista domine todas as opções técnicas para oferecer o melhor para o paciente de acordo com a indicação de cada caso.

Para graus avançadas de calvície, o Dr. Márcio Crisóstomo percebeu que o que a maioria dos pacientes de calvície avançada quer é mais cabelo, não importando a técnica de obtenção de fios.

Com base nesta solicitação constante, teve uma idéia interessante: a de unir em uma mesma cirurgia as duas técnicas de obtenção de fios (Clássica e FUE), que geralmente eram, e ainda são, usadas de forma separada.

Insatisfeito com os resultados obtidos com as técnicas disponíveis à época, o Dr. Crisóstomo começou a associar pequenos complementos pela técnica FUE ao final de cirurgias pela técnica clássica, até que resolveu unir completamente as duas técnicas e padronizar conceitos que aumentam o número de fios e mantém a segurança do procedimento. Desta padronização surgiu a técnica combinada.

Representação Técnica Combinada

Representação esquemática da Técnica Untouched Strip® demonstrando a potencialização da área doadora com associação da Técnica Clássica (Strip ou FUT) e do Follicular Unit Extraction (FUE) obtendo um número maior de fios e a preservação da faixa não tocada (Untouched Strip) mantendo as suas características anatômicas naturais para a realização de um possível segundo procedimento.

Na técnica combinada há uma potencialização da área doadora do paciente e o número de fios obtido é bem maior:

Aumento médio de 60 %

Em alguns casos até 100 %

mais fios em uma única cirurgia, em relação a Técnica Clássica isolada.

Com isto cirurgias com mais de 5 mil unidades foliculares (cerca de 12 a 13 mil fios*) passaram a ser rotina nas cirurgias do Dr. Márcio Crisóstomo.

Em casos de área doadora favorável, cirurgias de mais de 8 mil unidades foliculares (cerca de 20 mil fios de cabelo*) em um único procedimento são possíveis.

*considerando cada unidade folicular tenha em média de 2,4 a 2,6 fios
(número variável conforme características do paciente).

Estas estatísticas estão entre as maiores cirurgias realizadas no mundo.

Segurança obtida com a faixa não tocada

Esta técnica pioneira é, na nossa visão, a melhor
opção cirúrgica para calvícies avançadas já que leva o que o
paciente mais precisa: um maior número de fios.

A segurança foi prioridade durante o desenvolvimento da técnica, já que preservamos uma faixa
não tocada para preservar as características anatômicas locais para uma possível futura cirurgia
pela técnica clássica. Esta faixa não tocada é chamada de Untouched Strip.

Além disso, a associação nos permite não ir ao limite de nenhuma das
duas técnicas, diminuindo a incidência de complicações.

Com isto é possível realizar um segundo procedimento no futuro sem
prejuízo na obtenção dos fios.

Este é um conceito inédito, publicado pelo Dr. Márcio Crisóstomo há
alguns anos. Com grande experiência neste tipo de procedimento,
o Dr. Márcio é uma referência internacional no assunto, já tendo
apresentado e ensinado esta técnica em vários países.

PUBLICAÇÕES CIENTÍFICAS

“A publicação em revista científica é o atestado maior de credibilidade de uma informação.”

Na área médica, a publicação em revista científica é o atestado maior de credibilidade de uma informação, já que antes de ser apresentado ao meio científico especializado, o trabalho é revisado por outros especialistas (peer-reviewed) e, com a publicação, o conhecimento gerado passa a ser disponibilizado a outros especialistas para o avanço da especialidade.

A primeira publicação da Técnica Combinada já antecipou a aceitação que a mesma teria no futuro e foi escolhida para ser destaque de capa da publicação.

Crisóstomo M, et al. Untouched Strip: A TechniqueTo Increase The Number Of Follicular Units In Hair Transplants While Preserving An Untouched Area For Future Surgery. Surg Cosmet Dermatol. 2011;3(4):361-4.

Comentário do Editor Bertram Ng de Hong Kong, em tradução livre: “Este artigo não é sobre qual técnica é melhor – faixa ou FUE. Ele é sobre aceitar suas vantagens e limitações, e encontrar um meio de fazer o melhor uso das duas.”

Crisóstomo M. Untouched Strip: FUE combined with strip surgery to improve the FU number harvested in one session, preserving an untouched area for a possible future hair transplant. Hair Transplant Forum int´l. 2012;22(1):12-4.

Uma evolução da Técnica Combinada, onde o pós-operatório é mais discreto, foi publicada no Hair Transplant Forum da ISHRS. Este evolução, chamada de Combinada Executiva ampliou ainda mais a indicação da técnica.

Crisóstomo M. The CombinedTechnique (FUE + FUT) Without Fully Shaving Hair: Executive Untouched Strip. Hair Transplant Forum Int´l 2014; 24(3):90-93.

Além de importantes revistas científicas,
a Técnica Combinada já foi publicada em dois livros
de transplante capilar editados nos Estados Unidos.

Após um reconhecimento mundial da eficácia da Técnica Combinada, o Dr. Crisóstomo foi convidado a descreve-la na 2ª edição deste clássico livro de transplante capilar.

Crisóstomo M. Combining Follicular Unit Extraction and Transplantation: Untouched Strip Technique. In: Barrera A, uebel CO. Hair Transplantation - The Art of Follicular Unit Micrografting and Minigrafting. p. 237-261. Quality Medical Publishing - St. Louis - Misouri - EUA, 2014. 2ª Edição.

O Dr. Crisóstomo foi o único brasileiro convidado a participar do primeiro grande livro sobre FUE do mundo descrevendo a Técnica Combinada e suas evoluções.

Crisóstomo M. Combining Strip and FUE Technique. In: Lam Samuel, Williams Jr. K. Hair Transplant 360o (FUE) - Volume 4. p. 383 a 415. Jaypee Brothers Medical Pub; 2015, 1ª Edição.

Apresentações em congressos
de Cirurgia Plástica e de
Transplante Capilar

A apresentação em congressos médicos contribui para a divulgação e credibilidade do novo conhecimento.

O Dr. Márcio Crisóstomo é um dos cirurgiões brasileiros mais requisitados para congressos nacionais e internacionais e já apresentou a técnica combinada nos mais importantes congressos de cirurgia plástica e transplante capilar do mundo.

Com o Dr. Marco Toscani, presidente do Congresso Italiano de Restauração Capilar de Roma, onde a Técnica Combinada foi apresentada pela primeira vez, causando sensação. A partir desta apresentação, os convites não cessaram.

10 Vantagens da Técnica Combinada (para calvícies avançadas)

1 Mais cabelos

Este é o objetivo da maioria dos pacientes: mais cabelos! Portanto, a Técnica Combinada vai direto ao ponto. Como obtemos fios pelos dois métodos, temos mais cabelos para implantar. Mais cabelos nos permitem implantar em uma área maior, e com mais densidade.

2 Melhor resultado

Um resultado excelente depende de uma série de fatores como: planejamento correto, bom posicionamento da linha anterior, implante de unidades refinadas e em posição natural, entre outros. O número de fios não é o único fator, porém é inegável que com mais fios, podemos obter mais densidade e tratamos uma área maior. Sem dúvida nenhuma, para calvícies avançadas, o nível de resultados que obtemos utilizando a Técnica Combinada é muito superior ao das técnicas isoladas (Strip ou FUE).

3 Menos cirurgias durante a vida

Se um paciente com calvície avançada precisa de 3 ou 4 cirurgias ao longo da vida por uma técnica (Strip ou FUE) para atingir um determinado número de de fios, se realizamos uma técnica que permite o implante de 60 a 100% a mais de fios, precisaremos de dois terços ou metade das cirurgias para obter este número. Oferecendo satisfação mais rapidamente e, consequentemente, economizando tempo e investimento. Além disso, o paciente não consegue se submeter a vários procedimentos por uma técnica só, pois a área doadora vai sofrendo com isto (Ou com diminuição de elasticidade e cicatrizes, no Strip, ou com diminuição da densidade, no FUE).

4 Proteção da área doadora

Para tratar calvícies avançadas, muitas vezes o cirurgião pode ir até o limite da técnica (Strip ou FUE) para obter um número maior de fios. Ir ao limite pode esgotar a área doadora ou torná-la mais difícil de ser utilizada em cirurgias futuras. Como teremos fios provenientes dos dois métodos, retiramos a faixa um pouco mais fina, com fechamento mais tranquilo e melhor qualidade de cicatriz. Além disso, retiramos o FUE sem ir ao limite, o que preserva densidade local. Como nossa especialidade são calvícies avançadas, realizamos a cirurgia antevendo uma situação futura e a preservação da área doadora é uma prioridade. Grandes cirurgias com segurança.

5 Menor índice de complicações

Como não vamos ao limite de retirada das duas técnicas o índice de complicações inerentes às técnicas de transplante capilar é menor, mesmo obtendo uma quantidade muito maior de fios.

6 Possibilidade de refinar casos já operados com área doadora difícil

Áreas doadoras já utilizadas em cirurgias prévias, geralmente têm cicatrizes que limitam a elasticidade local e/ou baixa densidade, dificultando a obtenção de fios para refinar estes casos. Com a combinação dos métodos, uma técnica complementa a outra e conseguimos potencializar a área doadora, obtendo resultados muito melhores em cirurgias secundárias e/ou casos corretivos.

7 Indicação de cirurgias em casos que antes não indicávamos

Em casos de calvície muito avançada, com área doadora muito restrita, por exemplo Norwood graus VII, muitas vezes a cirurgia não estava indicada pois o resultado ficaria muito aquém do desejado. Com o advento da técnica combinada, passamos a indicar cirurgias nestes casos com mais confiança e com a obtenção de resultados bastante satisfatórios.

8 Aumento do “pool” de enxertos do paciente

Há alguns anos víamos o paciente com a possibilidade de 3 cirurgias pela técnica clássica, com um total final entre 6 e 7 mil unidades foliculares, e tínhamos que adequar nosso plano de tratamento (posicionamento da linha anterior, densidade, área a ser preenchida ao longo do tempo) a esta realidade. A Técnica Combinada nos permite dominar tanto o Strip, como o FUE e além disso, o domínio do FUE nos permite obter fios de outras partes do corpo (Body Hair Transplant) como barba e tórax, para complementos. Com isto, o nosso raciocínio muda para 12, 15 mil unidades foliculares ou mais e este fato altera completamente a nossa visão de tratamento global do paciente, pois sabemos que o nosso limite vai muito mais além, permitindo tratamentos mais completos, com linha anterior mais baixa, península temporal, coroa, pacientes jovens e outros que deixaríamos de lado executando uma só técnica.

9 Menor custo relativo

Um paciente que tem calvície na região anterior e na coroa, precisa de pelo menos duas cirurgias (por Strip ou FUE) para tratar as duas regiões. Se a Técnica Combinada permitir o tratamento das duas regiões em uma cirurgia só (usamos aqui um exemplo hipotético mas muito comum na nossa prática! Isso depende de cada caso, conforme o tamanho da área calva e das características da área doadora) estaremos antecipando o resultado que seria visto somente um ano após a segunda cirurgia para o presente, e ainda excluindo uma cirurgia, com tudo o que acarreta em termos de recuperação, pós-operatório, afastamento de trabalho e atividades sociais, etc. Portanto, A Técnica Combinada acaba tendo um custo final muito menor em relação a duas cirurgias, excluindo um pós-operatório e oferecendo mais satisfação, mais rápido.

10 Mais satisfação

Para o paciente, para o cirurgião e para a equipe cirúrgica. Essa vantagem só sabe quem se submete a esta técnica e compreende os benefícios.. E o cirurgião que domina o método e compara os resultados obtidos com os que tinha anteriormente usando somente um método. A sensação de oferecer o melhor, de ir além, é muito gratificante em qualquer profissão.

Desvantagens da Técnica Combinada (afinal, nem tudo pode ser perfeitoo!)

Necessidade de a equipe médica ter expertise nas duas técnicas e ainda na logística de combiná-las.

A melhor técnica é a que é fácil de ensinar, de aprender e de executar, para que possa ser reprodutível e beneficiar o máximo de pessoas. Este é um princípio básico em cirurgia, e definitivamente não se aplica à Técnica Combinada. O conceito da Técnica Combinada pode parecer fácil de compreender, mas não é. É necessário que o cirurgião tenha domínio completo de duas técnicas distintas (Strip e FUE) e ainda que tenha uma equipe sincronizada, grande e compromissada em realizar este tipo de cirurgia. A logística necessária para tal não é simples e, com isto, a Técnica Combinada é ainda realizada por poucas equipes no mundo, embora sua aceitação seja ampla. Por este fato, ou por desconhecimento dos benefícios, alguns cirurgiões não recomendam a Técnica Combinada e preferem realizar múltiplos procedimentos, o que não está errado, é apenas outro caminho para chegar ao mesmo objetivo.

Necessidade de raspar o cabelo total ou parcialmente.

Como um dos componentes da Técnica Combinada é o FUE e, para a extração das unidades por este método o cabelo da área precisa estar raspado, na Técnica Combinada também precisamos da área raspada. Se for um procedimento maior em uma calvície mais avançada ou correções, há necessidade de raspar completamente a cabeça e o aspecto pós-operatório fica mais perceptível. Se o paciente tiver o cabelo da área doadora mais comprido, podemos realizar um avanço da Técnica Combinada que descrevemos e chamamos de Combinada Executiva, em que raspamos apenas setorialmente o cabelo e o pós-operatório é bem mais discreto, porém, obtemos cerca de 10% a menos de fios que raspando tudo. Uma coisa é certa: o aspecto pós-operatório é temporário e o resultado é definitivo. Como o resultado é muito superior, compensa na maioria dos casos.

Como escolher um cirurgião de calvície com segurança